O ex-narrador de League of Legends, James “Stress” O’Leary, conversou conosco sobre seu tempo na MAD Lions e Splyce, como ele navegou na indústria como uma pessoa queer e como o cenário LGBTQIA + está mudando para melhor.

A entrevista desta semana é com o ex-narrador e community manager, James “Stress” O’Leary. Ele começou sua carreira no mundo do esports como um colour caster – narrador responsável por também dar opinião profissional, informada e especializada -, trabalhando em sua carreira através do cenário de League of Legends da União Européia para ingressar no LCS da UE em 2015.

Após fazer narrações na UE por vários anos, ele decidiu voltar para um papel nos bastidores como Community Manager da Splyce, agora MAD Lions. Com vários pontos de vantagem na indústria de esports, ele ganhou uma perspectiva única sobre a experiência LGBTQIA+ nessa indústria. Esports.gg conversou com ele para discutir sua experiência como uma pessoa queer no esports, e se existem problemas com ativismo performativo. 

Para aqueles que podem ser novos no cenário de League of Legends da UE: apresente-se! 

James "Stress" O'Leary
James “Stress” O’Leary

James “Stress” O’Leary: “Acho que as pessoas vão me conhecer principalmente por ser um comentarista de transmissão de League of Legends – essa é a minha conexão geral com o mundo dos esports.

Aqui as pessoas me conhecem como Stress, e estou no cenário há cerca de dez anos – tanto como narrador quanto sob a égide do marketing. Portanto, gerenciamento de equipe, gerenciamento de patrocinadores, trabalho geral de bastidores.

Recentemente, dei um passo para trás no esports como uma especialização e estou trabalhando mais em relações públicas para jogos em geral.”

Além de narrador, grande parte da comunidade conhece você de sua época como Community Manager na MAD Lions – como foi seu tempo trabalhando com a organização? 

Stress: “Então, já fiz parte de algumas organizações de esports – antes do MAD Lions, fazia parte do Splyce e, antes mesmo de ser comentarista, fazia parte da organização da Team Dignitas do Reino Unido – muitas pessoas esquecem que eles costumavam ser totalmente do Reino Unido.

Trabalhar na MAD foi uma experiência muito legal, muito divertida, mas também um desafio único para que eu pudesse atualizar a marca Splyce e criar esta equipe nova e empolgante após a reformulação da marca. O Splyce era um time muito querido na indústria, mas não se parecia em nada com um Fnatic ou um G2 com seu nível de fandom.

Os jogadores da MAD definitivamente tornaram essa mudança de marca muito mais fácil, porque eles tinham um estilo de jogo tão interessante e único e também eram muito carismáticos, o que é uma das melhores coisas que você pode dar a uma equipe de marketing para trabalhar. Eles também tinham uma forte identidade de marca pré-existente na comunidade espanhola e, embora isso não tenha necessariamente ressoado comigo, descobrimos que nós combinávamos muito bem com a equipe que eles tinham em Madrid para criar a marca.

A reformulação da marca foi bem-sucedida do ponto de vista do marketing, mas tem sido mais bem-sucedida no lado do desempenho do que qualquer um poderia esperar. Mesmo que eu tenha deixado a equipe em fevereiro, ainda gosto de pensar que trabalhei na divisão que eles ganharam o LEC – mesmo depois que todos tenham saído do cinema, meu nome ainda estará nos créditos finais da história da MAD Lions. Adorei trabalhar com os jogadores e adorei trabalhar com a equipe – praticamente só tenho coisas boas a dizer sobre meu tempo com a MAD.” 

Obviamente, no início de sua carreira, você era uma figura pública que aparecia muito – o que motivou a decisão de mudar para um papel mais nos bastidores, como o trabalho que você descreveu com a MAD? 

James “Stress” O’Leary: “Eu acho que isso é algo que muitos narradores já devem ter pensado, mas ser uma figura pública tem uma vida útil. Isso não significa que, quando terminar, você está completamente fora, mas há definitivamente uma vazante e um fluxo para o seu tempo ao sol. E, honestamente, senti que havia chegado ao fim desse capítulo em 2016. Escolhi a fase de grupos do Mundial e, embora adoraria ter feito uma final, parecia a realização de um objetivo muito, muito importante para mim.

Qualquer pessoa consciente de si olha para as pessoas à sua frente no lugar em que está e tem que tomar uma decisão – posso fechar essa lacuna? Quando eu estava narrando o Worlds, eu diria que era um dos dez melhores colour caster para League no mundo naquela época – eu não acho que isso seja algo particularmente egoísta de se dizer. No entanto, quando dei uma boa olhada em mim mesmo e na minha carreira, simplesmente não consegui pensar que poderia diminuir a lacuna existente para pessoas como Deficio ou Jatt. Ou, mais precisamente, para fechar essa lacuna, eu teria que me esforçar muito, muito mais do que deveria ou poderia, sendo realista. Naquela época, eu também estava aceitando ser abertamente gay, o que era um processo complicado. Quando você é um narrador e comentarista de nível superior, dedicando tanto tempo para manter seu conhecimento do jogo, algo tinha que ceder.”

“Quer seja sono, hobbies, família, parcerias, relacionamentos – algo está sempre sendo deixado de lado, e eu não estava preparado para abrir mão de tudo na busca desse objetivo em constante movimento de ser o melhor do mundo.”

James “Stress” O’Leary

O que você descobriu navegando em sua identidade como uma pessoa queer no esports? 

James “Stress” O’Leary: “Não acho que encontrei mais dificuldades por me assumir no mundo dos esports do que teria em qualquer outra indústria em partes do mundo mais receptivas. A parte com a qual eu mais lutei foi com a pressão que coloquei sobre mim mesmo antes de me assumir – se eu voltasse e fizesse as coisas de maneira diferente, teria feito isso muito mais cedo. Eu me assumi durante meus últimos três ou quatro meses na transmissão, e mesmo naquele ponto eu não havia descoberto realmente quem eu era. Eu estava interpretando o personagem de uma pessoa heterossexual. Eu só queria me misturar, e isso significava que eu parecia, francamente, muito brando.

Nos velhos tempos do LCS da UE, havia uma certa expectativa de que você tinha que caber nesta caixa para fazer parte da Riot Games. Isso foi antes do LEC, onde tudo era terno, colete e camisa e tinha que ser super formal. Não havia palavrões na transmissão, e havia uma vibe precisa que afetava o show. Então eu meio que pensei ‘Ok, vou me agarrar a isso, e essa será a minha personalidade’.

Eu não iria mostrar a ninguém minha verdadeira personalidade porque sou bem gay e pensei que ninguém iria querer isso na transmissão. Eu não queria suportar o ódio e o fervor, mas evitando ambos, sinto que ninguém realmente me conheceu de verdade. Fico frustrado, olhando para o passado, porque acho que poderia ter utilizado aquele tempo para ser um modelo positivo para outras pessoas LGBTQIA+, e não o fiz.

Uma das coisas mais difíceis em minha jornada como gay foi que me afastei muito da noção de comunidade, especialmente durante meu tempo na universidade. Eu não fazia parte de nenhuma sociedade LGBTQIA+ e meio que rejeitei a noção de Orgulho e de vestir sua sexualidade. Eu não entendia por que as pessoas precisavam disso – mas agora, anos depois, olho ao meu redor e vejo que não tenho uma comunidade LGBTQIA+ forte ao meu redor. ” 

“Eu gostaria que, quando estava trabalhando no LCS da UE, alguém como eu pudesse ter olhado para aquela transmissão e dito ‘Oh, essa pessoa está sendo aceita e valorizada exatamente pelo que é’. Eu gostaria de ter sido algum tipo de modelo a esse respeito.”

James “Stress” O’Leary

Você disse que não se via como um tipo de modelo durante seu tempo no LCS da UE – você acha que hoje em dia o esports está pressionando as pessoas LGBTQIA+ para serem modelos para suas comunidades? 

James “Stress” O’Leary: “É complicado, porque espero sinceramente que ninguém esteja exercendo pressão direta desse tipo nas pessoas. Eu nunca vou sentar aqui e dizer ‘esta pessoa tem que ser um modelo para sua comunidade’. Mas, o fato é que, infelizmente, chega um momento em que você se torna um modelo, independentemente de querer ser ou não. Nesse ponto, você precisa entender que a forma como você se apresenta tem consequências para outras pessoas. Quando você está construindo uma comunidade, você seleciona uma vibe com a qual se sente confortável, admira e é admirado por pessoas que pensam como você.

Isso não significa que haja apenas uma maneira de ser uma figura da comunidade nos esports, mas significa que você tem a responsabilidade de criar uma comunidade que aceite todos os tipos de pessoas – e essa responsabilidade é, na minha opinião, inevitável. Chegamos ao ponto em que até mesmo alguém que segue um hobby em casa e o posta na internet pode se tornar uma inspiração e um modelo para os outros. Você ainda está inspirando as pessoas a seguirem seus passos. 

Acho que a visibilidade das pessoas LGBTQIA+ neste meio ainda é tão baixa em comparação com a representação de pessoas heterossexuais e cisgênero, que qualquer pessoa que seja uma figura pública abertamente queer assume o ônus de ser um modelo. E essa é uma tarefa incrivelmente assustadora.” 

Essa é uma mudança interessante que vimos recentemente nos esports – passamos de nenhuma representatividade a ter o suficiente para começar a criticá-la e tentar torná-la melhor. Há muita discussão em torno do Mês do Orgulho sobre “fazer mais do que o mínimo” – você acha que há um problema com o ativismo performativo nos esports? 

James “Stress” O’Leary: Essa indústria tem uma abordagem muito clara de seguir o líder. Se uma equipe faz algo bem, outras equipes vão começar a fazer o mesmo e isso vai crescer e crescer independentemente da intenção. Definitivamente, houve problemas em que as equipes simplesmente disseram “vamos mudar nosso logotipo para um arco-íris porque é o que devemos fazer”, mas para ser justo, não acho que seja um problema específico do esports. A indústria de jogos está lentamente se tornando mais e mais diversificada em suas funções gerenciais, o que significa que agora existem pessoas LGBTQIA+ que podem afetar uma mudança real de posições de poder. 

“Quando há falta de diversidade no processo de contratação, você não consegue pessoas em posições de poder que podem tomar decisões significativas sobre tópicos que são importantes para eles. Agora estamos vendo mais e mais pessoas queer alcançando funções poderosas nos esports, estamos vendo cuidado, empatia e investimento em iniciativas do Orgulho LGBTQIA+.” 

JAMES “STRESS” O’LEARY

Enquanto eu estava com o Splyce, fizemos uma campanha com a ILGA Europe em 2019, onde mudamos nossas camisetas para logotipos com a bandeira do orgulho LGBTQIA+, e todos os lucros da venda dessas camisetas iriam para instituições de caridade que apoiam pessoas da comunidade. Tive o apoio total do Splyce e de sua empresa matriz, a OverActive media, nesta campanha. Eu não tive nenhum obstáculo para fazer isso, apenas disse ‘Acho que devemos fazer isso pelo Orgulho’ e todos estavam prontos e dispostos a apoiar. Se Splyce não tivesse uma pessoa LGBTQIA+ em uma função gerencial em sua organização, isso poderia ter sido algo que eles sequer consideraram.

Quando há falta de diversidade no processo de contratação, você não consegue pessoas em posições de poder que podem tomar decisões significativas sobre tópicos que são importantes para eles. Agora estamos vendo mais e mais pessoas queer alcançando cargos poderosos nos esports, estamos vendo cuidado, empatia e investimento em iniciativas do Orgulho LGBTQIA+. Evil Geniuses e Team Liquid, em particular, tiveram campanhas do Orgulho LGBTQIA+ realmente boas este ano, onde você pode ver um verdadeiro trabalho sendo colocado. 

Aqui na Europa, eu sei que existem algumas organizações que não estão tão focadas no mês do Orgulho. Isso não significa necessariamente que a empresa não acredita na igualdade LGBTQIA+, mas significa que eles podem não ter uma pessoa queer na equipe que tem o poder de levar uma iniciativa como essa adiante. Eu sei que existem algumas pessoas queer incríveis no esports europeu, e eu adoraria vê-los no poder e com recursos para realmente implementar iniciativas fortes para suas comunidades.” 

No ano passado, no LEC, a comunidade reagiu de forma incrivelmente negativa às notícias de patrocínio do LEC pelo empreendimento NEOM, apoiado pelos sauditas, com a Arábia Saudita tendo um histórico notoriamente ruim de tratamento de pessoas LGBTQIA+. Como os aliados da comunidade podem continuar a mostrar que são aliadas de forma que as grandes marcas percebam que parcerias como essa não são aceitáveis? 

James “Stress” O’Leary: “A dissidência vocal nas redes sociais pode ser muito importante. Há uma diferença entre dissidência e multidão de ódio – tendo sido o rosto por trás de uma marca no Twitter, nunca envie uma multidão de ódio por causa de algo do qual você discorda. No entanto, todos devem ter o direito de protestar.

Outra coisa que considero crucial é provar às empresas que decisões como essa afetarão seus resultados financeiros. O poder mais importante que você tem como espectador é o poder de não assistir e não se envolver com o conteúdo. Da mesma forma que você pode se envolver e apoiar marcas que você gosta para impulsioná-las, você pode deixar uma organização saber que você está infeliz por não se envolver com seu produto. Se você não estiver consumindo publicidade e se o número de espectadores cair, então uma marca pode ver claramente que está fazendo algo errado e procurar maneiras de consertar isso.

A comunidade LEC é bastante inclusiva, e acho que o negócio da NEOM os afetou muito mais do que eles esperavam. É por isso que cultivar a diversidade em suas comunidades online é tão importante – significa que você tem membros da comunidade que podem se apresentar e dizer quando algo que você está fazendo os está prejudicando, para que você possa crescer, aprender e tentar não tomar as mesmas decisões no futuro.”

Tradução: Alexandre Silva

Filed Under
Meg

Meg "Megito" Kay

LoL writer | Twitter: @_megito

Meg "Megito" Kay is a freelance writer and interviewer specialising in the #LEC. Meg is an English Lit student and a host on the Critical Strike Podcast (@critstrikepod).