Já Los Grandes garante vitória por 2-1 em cima da Gamelanders Blue

O VCT BR voltou para a sua segunda edição. Depois de um início intenso, com a LOUD dominando o cenário nacional e chegando a segunda colocação do Masters, as 10 melhores equipes do Brasil se reencontram. Para abrir a competição, a LOUD enfrentou a FURIA num confronto épico. Logo a seguir, a Los Grandes pegou a Gamelanders Blue, mostrando que o nível cresceu e vai oferecer ainda mais disputa. 

Lembrando que, essa edição do VCT está acontecendo presencialmente nos estúdios da Riot Games. Então, os jogadores finalmente irão se enfrentar pessoalmente, cara a cara. Pegue a sua pipoca e confira como foram esses belos jogos.

LOUD x FURIA

A LOUD chegou ao VCT com expectativas extremamente elevadas e não para menos. Depois de dominar o cenário internacional, a equipe é cotada como a grande favorita, novamente. Porém, do outro lado, se encontrava a FURIA, uma das equipes que não fizeram mudanças na sua composição de jogadores. 

Era esperado um duelo intenso entre os dois times, que são considerados os mais fortes do grupo. Porém, aparentemente, o nível da LOUD ainda é muito superior ao das demais equipes. Com placares elásticos, o primeiro jogo foi totalmente unilateral. Os mapas jogados foram Ascent e Breeze, escolhas da FURIA e LOUD, respectivamente.

Ascent

O primeiro mapa, mesmo sendo escolha da FURIA, foi um dos maiores destaques da LOUD, no VCT BR e Masters. Muitos imaginaram que seria um jogo um pouco mais equilibrado, por conta dos materiais adquiridos durante o Masters. Porém, não foi bem isso que aconteceu. A LOUD foi dominante, do início ao fim, ditando as regras do jogo.

A FURIA deu uma surpreendida nas escolhas dos agentes, tentando se adaptar ao novo meta. A Jett, que era uma escolha padrão, deixou de aparecer, dando lugar a Raze. As escolhas dos agentes foram as seguintes por parte da FURIA: Raze, Chamber, Kay/O, Sova e Omen.

Do outro lado, a LOUD apresentou uma escolha bem padrão, igual a que eles apresentaram em todas as partidas na Ascent. Jett, Killjoy, Kay/O, Sova e Omen foram as escolhas. Uma composição bem simples, mas que oferece recursos valiosos de controle de espaço. Além disso, parece que a LOUD masterizou a composição, fazendo estratégias bem sólidas com a mesma.

Como falamos anteriormente, o mapa foi totalmente unilateral. Começando no lado defensor, a LOUD foi absoluta, mostrando os motivos de serem a segunda melhor equipe do mundo. Foram sete pontos conquistados em sequência, finalizando a primeira metade em 9-3. Quando os lados viraram, a FURIA não conseguiu fazer um ponto sequer e perdeu por 13-3.

Breeze

Breeze foi o segundo e último mapa, sendo escolhido pela LOUD. Novamente a equipe mostrou uma superioridade, com táticas bem fortes e consolidadas. A FURIA até tentou conseguir alguns pontos no mapa, porém não conseguiram passar a barreira da LOUD. Por ser uma escolha da Pantera, quem escolheu o lado foi a LOUD, que acabou sendo a defesa.

Dessa vez, as duas equipes apresentaram composições espelhadas, com Jett, Chamber, Kay/O, Sova e Viper. Esses tipos de agentes oferecem o padrão do VALORANT. Agentes de controle e negação de espaço (Chamber e Viper), junto com agressividade (Jett) e informações (Kay/O e Sova). Dessa forma, grande parte das táticas podem ser cumpridas. 

Contudo, vale a pena ressaltar que, o mapa da Breeze, é ainda considerado um mapa não otimizado. Dessa forma, equipes ainda podem surpreender com escolhas peculiares, como foi mostrado no Masters, com a Neon sendo usada como Duelista principal.

Assim como foi no primeiro mapa, o controle da LOUD foi algo absoluto. A equipe estava tendo um controle de região muito bem trabalhado, abusando das rotações e pressões. Novamente, a equipe conseguiu uma primeira metade de 9-3, indo para o lado de ataque com uma vantagem imensa. Rapidamente eles conseguiram fechar, por 13-4, perdendo apenas uma rodada.

O destaque da série foi o aspas, que fez o seu destaque com a Jett. Sua maestria com a agente é algo visível, mostrando como, mesmo com as mudanças, ela ainda é forte e importante para o jogo.

Gamelanders Blue x Los Grandes

O segundo jogo da noite foi entre a Gamelanders e a Los Grandes. A GLB chegou renovada, com um novo nome em sua composição. Brinks, que atuava pela equipe do Botafogo eSports e Tropinha do TikTok, entrou na equipe, para cobrir uma função mais flexível, jogando, em sua maior parte, de Iniciador. 

Foram, ao todo, 3 mapas jogados, nos mapas da Breeze, Split e Icebox. Do início ao fim, as duas equipes mostraram um nível bem elevado, além de uma adaptação bem grande ao meta atual. Mesmo com a vitória do Los Grandes, o campeonato apenas começou e tudo pode acontecer.

Breeze

O primeiro mapa foi escolhido pela Gamelanders Blue, onde a mesma começou no lado atacante. Inicialmente, os espectadores esperavam que as composições das equipes não iriam variar, mantendo o padrão, como foi no confronto entre a LOUD e FURIA. Porém, a realidade foi totalmente outra.

A Los Grandes chegou apostando em novos nomes, com uma estratégia bem diferente. Os agentes escolhidos foram a Viper, Chamber, Sova, Kay/O e Fade. Esse tipo de composição aposta num Chamber mais duelista, tentando controlar regiões e ter facilidade de cobrir espaços e sair vivo. Por fim, para felicidade de todos, a Fade deu as caras. A nova agente possui um kit de habilidades focado em coletar informações e neutralizar os oponentes.

Por outro lado, a Gamelanders chegou jogando com escolhas interessantes. Usando a Neon, Cypher, Viper, Kay/O e Sova, a equipe mostrou uma composição totalmente inovadora. Esse conjunto de agentes oferece uma velocidade e oportunidade de avançar facilmente. Além disso, a composição, analisada em conjunto, possui um sistema de controle bem forte, conseguindo cobrir regiões espalhadas por todo o mapa.

O início do mapa foi bem unilateral. A Gamelanders estava jogando praticamente sozinha. Toda a sua velocidade foi crucial, conseguindo fazer oito pontos seguidos. Na primeira metade, a equipe saiu na frente, fechando em 9-3. Quando os lados viraram, a Los Grandes até tentou se reerguer. A equipe fez alguns pontos, mas acabou sendo derrotada, num placar de 13-6.

Split

Split foi o segundo mapa e escolha por parte da Los Grandes. Esse mapa é uma certa raridade de se ver no VCT BR. Normalmente, as equipes evitavam, mostrando uma preferência em Icebox, Bind e Ascent. Então foi uma surpresa ao ver essa escolha. E, junto a isso, as composições surpreenderam bastante.

A Gamelanders chegou usando a Raze, Omen, Viper, Chamber e Fade. Novamente a Fade apareceu, substituindo o Sova, como Iniciador principal. A sua utilização, principalmente num mapa mais curto, é muito forte. Junto a isso, a composição é muito forte em espaços curtos, conseguindo segurar os oponentes e os impedindo de avançar.

Pelo lado da Los Grandes, tiveram algumas inovações, com a equipe jogando de Raze, Chamber, Astra, Breach e Fade. Seguindo uma estratégia diferente, a Los apostava em aberturas fortes e um sistema de controle de região forte. A dupla entre Breach e Fade se mostrou bem inteligente, conseguindo fazer avanços cruzados, incomodando bastante os adversários.

Ao contrário do que foi o primeiro mapa, a Split mostrou duas equipes bem equilibradas. Na primeira metade, ambas estavam mostrando um jogo bem tático, conseguindo finalizar com placares mais controlados. Mesmo com a vantagem inicial da GLB, por 7-5, a equipe não conseguiu explorar bem e acabou deixando ela passar por suas mãos. A Los Grande foi com tudo e finalizou o mapa por 13-10.

Icebox

O terceiro e último mapa foi a Icebox, um mapa querido por muitas equipes e espectadores. Logo no seu lançamento, sua escolha era lembrada por composições de dois Duelistas, como Jett e Reyna. Ao passar do tempo, essas escolhas começaram a diminuir, até chegar, atualmente, com as duas equipes jogando sem nenhum Duelista.

As duas equipes apresentaram uma composição parecida, usando como base o Chamber, Viper, Sova e Sage. A única mudança foi no lado do segundo Iniciador, onde a GLB optou jogar com o Kay/O e a Los com a Fade. 

Essa base é muito forte no mapa, com o Chamber fazendo o papel de duelista. Agora, pelo lado da diferença de Iniciadores, ela se dá por dois motivos principais. O Kay/O é muito forte por ser um agente que abre as regiões usando as suas flashbangs. Além disso, o seu ‘Anular/CMD’ é muito forte para anular os adversários e coletar informação. Enquanto isso, a Fade tem um foco em jogar um pouco mais recuada, conseguindo pegar informações, mas, principalmente, em segurar os oponentes à distância.

No lado inicial, foi a vez da Los Grandes mostrar o seu poder e sair na frente. Com uma defesa sólida, a equipe conseguiu fazer excelentes pontos e virou os lados por 9-3. Quando os lados viraram, foi a vez a Gamelanders fazer a sua defesa. A equipe conseguiu fazer ótimos pontos, mas a vantagem adquirida pela Los Grandes foi muito forte e o mapa finalizou em 13-10

Quem recebeu o destaque da partida foi o pleets, que fez uma série jogando de Sova, Astra e Sage. Essa sua performance foi o diferencial, conseguindo fazer jogadas extremamente importantes no jogo.

Próximos jogos

As próximas partidas do VCT BR serão do grupo B, com os seguintes confrontos:

  • MIBR x Vivo Keyd – 17h
  • Ninjas in Pyjamas x Liberty – a seguir

Todas as quatro equipes chegam com mudanças, apostando em novos nomes. Entre elas, a Vivo Keyd e a NIP são as que mais criaram hype. A VK apostou em dois nomes novos, RgLMeister e rhz. Enquanto isso, v1xen e JhoW são as contratações dos Ninjas, com o JhoW atuando como treinador da equipe.

O VCT BR tem a sua transmissão acontecendo nos canais oficiais do VALORANT Esports Brasil, na Twitch e Youtube. Além disso, diversas Watch Parties estão acontecendo, para saber quais são elas, basta acessar o Twitter oficial.

Para não perder nada do mundo dos esportes eletrônicos, fique ligado no Esports GG. Acesse o site, Twitter e Instagram e fique por dentro das últimas noticias do mundo do VALORANT.

Lucas Bauth -

Lucas Bauth

Lucas Bauth, redator e analista de esports, com foco em jogos como Valorant, League of Legends e TFT. Experiência em portais como Globo Esporte e passagem em times de esports.