O esports.gg conversou com Mazin, técnico da FURIA, após a derrota para a KRÜ Esports.

Depois de sangrar a Sentinels, a FURIA precisou enfrentar a KRÜ Esports na luta pela sobrevivência no Champions 2021. Os Panteras não conseguiram superar a equipe latino-americana e a derrota foi amarga: 2-1. Logo após a partida, o esports.gg Brasil teve a oportunidade de conversar com Mazin, jogador que representou o país na competição. Confira:


mazin-qck-furia
qck e Mazin, no VALORANT Champions 2021 – Foto: VALORANT Esports

esports.gg: Estamos vendo um apoio gigantesco dos torcedores brasileiros para as equipes que estão no Champions. Não importa se o momento é bom ou ruim, a torcida empurra os jogadores e dá todo o apoio. Como está sendo receber todo esse carinho, mesmo com a derrota?

Mazin: Está sendo muito gratificante e estou muito feliz com o resultado da torcida. Acho que, dessa vez, eles estão mais nos apoiando do que criticando. Acredito que os times que participaram dos dois últimos VCT Masters sofreram bastante hate. Por tudo que está acontecendo dentro do campeonato, os brasileiros estão se juntando e apoiando as equipes. Esse é o ponto forte dos brasileiros: sempre estão dando apoio. Claro que existem críticas, mas no momento de dar apoio, acho que é a maior torcida de todas.

esports.gg: A equipe da FURIA vem crescendo bastante. Vocês eram considerados um time inconsistente e foram crescendo com o tempo, se tornando cada vez mais fortes. Isso ficou claro durante o Last Chance SA, onde garantiram a classificação, e agora no Champions 2021, onde mesmo com a derrota assustaram uma das equipes mais fortes da competição. Como você enxerga esse caminho de crescimento da equipe ao longo do ano?

Mazin: Acho que a melhoria foi muito grande. Foi uma evolução enorme, acho que quem acompanha a FURIA desde o começo percebe a força da equipe. Todos os jogadores que estão no time são excelentes. Depois que cheguei, mudamos o nosso modo de jogar, acertamos algumas coisas, nos adaptamos ao meta atual do jogo e o resultado veio. Acho que, nesse Champions, poderíamos ter dado mais. Chegamos perto duas vezes de ter duas grandes vitórias. Mas a evolução da FURIA é nítida. Desde o início do ano, sempre fomos um time muito constante e nesse final de temporada conseguimos engatar. Conquistando o Last Chance, viemos para o Champions e fizemos boas partidas. Talvez hoje a gente não tenha conseguido desempenhar da forma que queríamos, mas foi um bom jogo.

mazin-FURIA
Mazin, durante o jogo contra a Sentinels – Foto: VALORANT Esports

esports.gg: De forma geral, o Brasil era considerado uma das piores regiões do Champions. Porém, vemos outra realidade: a FURIA bateu de frente com a Sentinels, a Team Vikings enfrentou a Gambit de igual para igual e a Vivo Keyd fez um excelente jogo contra a ACEND. Para você, como está sendo ver o crescimento da nossa região?

Mazin: Acho que o Brasil chegou muito forte no campeonato. Nós caímos em um grupo muito difícil e sabíamos das dificuldades. Trabalhamos muito para poder dar o nosso melhor. Acho que o bootcamp que os três times brasileiros fizeram aqui na Europa foi muito bom. Quando vem só um time para fazer bootcamp, demora um pouco mais para a região inteira se adaptar. Dessa vez, todos nós conseguimos fazer e ter mais tempo aqui fora. O resultado foi nítido, todos os times brasileiros evoluíram muito, tática e tecnicamente. Ainda acredito que o Brasil vai surpreender muito nesse Champions; acredito que a Vikings poderia ter saído com a vitória (contra a Gambit Esports). O país vem demonstrando bons resultados no campeonato até aqui.

esports.gg: Aproveitando o assunto, gostaria de saber como você enxerga o futuro do cenário competitivo da região. Existe um bom caminho para nós no ano que vem?

Mazin: Eu penso da seguinte forma: quanto mais times vêm pra cá e evoluem, mais conteúdo chega para a região. Agora, por exemplo, estamos com três times muito forte e, quando voltarmos para o Brasil, teremos muito conhecimento para passar para todos os outros times. Da mesma forma que viemos para cá coletar informações, as outras equipes irão vir até nós para absorver essa experiência. Ou seja, todo o nível da nossa região vai crescer.

esports.gg: Para finalizarmos a nossa conversa, há uma grande conversa nas redes sociais sobre a possibilidade de um VCT Masters ser realizado no Brasil. Você acredita que jogar em casa pode trazer uma maior motivação ou até mesmo fazer os times ficarem mais hypados?

Mazin: Com toda certeza. Ainda mais se houver a possibilidade de acontecer um campeonato com torcida. A torcida brasileira nos apoia muito, estamos vendo isso na internet – mesmo com tudo isso que está acontecendo, o Brasil não para de nos apoiar. Então, tenho certeza de que, caso tenhamos um evento no Brasil, os times vão crescer muito mais. Seja por conta da torcida ou por estar apenas jogando em casa. Somente nós, brasileiros, conhecemos bem nossos torcedores e sabemos como eles são empolgados e fervorosos, sempre empurrando o time. Caso o Covid venha a amenizar e nosso país se estabilize, acredito que um campeonato com torcida pode se tornar real e, pode ter certeza, vai ser um dos maiores eventos da história do VALORANT.


O Champions 2021 continua. Amanhã, a Team Vikings faz sua partida decisiva contra a Team Secret, disputando vaga nos playoffs. Para saber mais sobre a competição, acesse nosso Guia do Champions 2021.

Fique ligado no esports.gg e acompanhe todas as notícias sobre o Champions Tour e as novidades de VALORANT.

Lucas Bauth -

Lucas Bauth

Lucas Bauth, redator e analista de esports, com foco em jogos como Valorant, League of Legends e TFT. Experiência em portais como Globo Esporte e passagem em times de esports.