Com o anúncio do Game Changers Global, muita coisa está por vir

O novo calendário competitivo de VALORANT foi revelado recentemente e, dentre as diversas mudanças, o cenário feminino recebeu boas notícias: o Game Changers Global. Agora, as jogadoras profissionais também terão um circuito bem estruturado com um único destino: o primeiro mundial feminino, que reunirá as melhores equipes de cada região.

O que é o Game Changers?

O Game Changers é uma iniciativa da Riot Games para fomentar o cenário feminino oficial de VALORANT e ocupará grande parte do ano, fornecendo uma vasta gama de campeonatos. Além disso, a premiação é semelhante à do VCT.

No Brasil, o Game Changers possui outro nome: Protocolo. Durante 2021, foram duas versões do campeonato, Gêneses e Evolução. Em ambas, a Gamelanders Purple se sagrou campeã e se tornou o grande nome da cena nacional.

Cada Protocolo teve quatro classificatórias, que garantiram oito vagas para os playoffs disputados em chaves de dupla eliminação, em partidas melhor de três mapas (MD3), com exceção da grande final, disputada em melhor de cinco mapas (MD5). Cada etapa classificatória teve uma premiação total de R$ 20 mil, enquanto os playoffs de R$ 100 mil.

Divulgação de Protocolo: Evolução – Fonte: VALORANT Esports Brasil

Game Changers pelo mundo

Em 2022, o modelo do Game Changers será implementado em diversas regiões. Além disso, a própria Riot Games incentiva a criação de campeonatos independentes, como forma de fortalecer ainda mais o cenário feminino.

As regiões que contam com a liga feminina oficial são: América do Norte (NA), Europa, Oriente Médio e África (EMEA), América Latina (LATAM), Sudeste Asiático (SEA) e o Brasil (BR). Cada região possui um formato próprio, com premiações e sistemas classificatórios distintos.

Com a chegada do Game Changers Global, espera-se que as ligas ao redor do mundo funcionem de forma mais justa e padronizada, mas ainda não houve nenhuma revelação oficial de como cada uma funcionará. Contudo, já sabemos que serão três etapas principais ao longo do ano, que servirão como classificatórias para o mundial. 

Novidades sobre o Game Changers BR

Calendário do ano competitivo de VALORANT em 2022 – Fonte: VALORANT Esports

Alguns detalhes da temporada nacional já foram definidos. Assim como em 2021, antes de cada etapa principal acontecem quatro classificatórias, cada uma delas valendo pontos, e as oito equipes com as maiores pontuações se classificam para a Fase Final.

Serão duas etapas, de forma semelhante aos Protocolos de 2021. Acredita-se que as duas campeãs se classificarão para o Global Game Changers, mas ainda não há nada confirmado – outro detalhe importante é que as fases finais serão presenciais.

Por fim, foi anunciado o Game Changers Academy, uma forma de incentivar novas jogadoras a ganharem destaque no cenário.

“Com o intuito de dar mais oportunidades para jogadoras amadoras e semiprofissionais, ampliando a experiência competitiva, continuaremos apoiando os torneios independentes com a marca Game Changers Academy. As competições continuarão a ser desenvolvidas junto de organizadoras previamente aprovadas pela Riot, de forma a proporcionar o mais alto nível de estruturação às jogadoras.”

VALORANT Esports Brasil

Premiações

Ao longo do ano, serão distribuídos R$ 480 mil da seguinte forma:

  • R$120 mil reais dedicados ao Game Changers Academy – serão 12 edições ao longo do ano;
  • R$360 mil reais dedicado ao VCT Game Changers, dos quais:
    • R$80 mil para cada ciclo de classificatórias;
    • R$100 mil para cada Fase Final.

Recepção da comunidade feminina

O anúncio deixa claro a estruturação e o crescimento do cenário e a preocupação da Riot Games em apoiar campeonatos femininos, muitas vezes escanteados em outras modalidades. Isso faz com que diversas jogadoras e organizações olhem para VALORANT de uma forma diferente e invistam no jogo.

Hannabacon, uma das jogadoras da Liberty Female, se pronunciou a respeito:

“Cara, a palavra para o ano que vem, para mim, é DOIDERA. Acredito que o cenário, no ano que vem, vai bombar. Teremos muito times brigando pelo topo, principalmente se levar em consideração o nível, que elevou muito nestes últimos meses. E eu to bem ansiosa por tudo que está por vir!”

Yasmin “hannabacon” Goetten, jogadora pela Liberty Female

Em suas redes sociais, as jogadoras da Gamelanders Purple também mostraram empolgação:

Por fim, alguns rumores apontam que diversas organizações que investem no cenário masculino também marcarão presença na cena feminina. A TBK Esports, por exemplo, mostrou interesse em montar uma lineup feminina:

“Estamos atentos a boas oportunidades para ampliar nossas line-ups. O Valorant feminino e o Wild Rift são duas modalidades que têm tido bastante destaque e por ter uma desenvolvedora como a Riot Games por trás, dá mais segurança para investirmos nessas modalidades”

Victor Damato, CEO da TBK Esports

Em breve, VALORANT estará de volta com um novo formato e diversas novidades. Confira nosso guia sobre o VCT BR 2022 e fique ligado no esports.gg para não perder nada.

Lucas Bauth -

Lucas Bauth

Lucas Bauth, redator e analista de esports, com foco em jogos como Valorant, League of Legends e TFT. Experiência em portais como Globo Esporte e passagem em times de esports.