Após a vitória da B4 em cima da TSM, Carlito falou em coletiva um pouco sobre a partida e como foi jogar contra os antigos colegas de time.

O Wild Tour começou e teve como estreia a incrível partida entre a B4 Esports e a TSM. Duas equipes cotadas como as favoritas do campeonato e que possuem reais chances de representar o Brasil no mundial. No jogo, em melhor de três mapas, a B4 conseguiu sair com a vitória por 2-0. Ao final, o suporte da equipe, Carlito, foi para a entrevista coletiva com a imprensa e deu a sua visão sobre a partida.

“Quando você joga contra antigos companheiros de time, tem um gosto a mais”

Carlos “CarliTo” Sagrette, suporte da B4 Esports, no Wild Rift – Reprodução: Twitter

O primeiro jogo da série foi bem complicado, quando se tem em vista o segundo. Se numa partida a TSM conseguiu sonhar com a vitória, logo em seguida, esse sonho foi ficando cada vez mais distante. De acordo com Carlito, essa diferença no estilo de jogar se deu, principalmente, pela análise da staff.

“Eu acredito que nesse ponto, eu tenho que parabenizar a nossa staff. Eles reconheceram muito rápido, de um jogo para o outro, qual era a proposta que a TSM estava trazendo para a série e como a gente (B4 Esports) iria se adaptar de acordo com isso. Acho que no segundo jogo, eles se colocaram numa situação muito complicada e isso acabou fazendo com que a gente acabasse jogando um jogo mais leve e mais solto, sem nenhuma grande dificuldade.”

Carlito aplicou a lei do ex em cima da TSM

Para aqueles que não sabem, Carlito era o suporte da TSM antes de ir para a B4. Inclusive, ele chegou a representar o Brasil no mundial. Ao ser perguntado sobre a sensação de ter jogado contra a antiga equipe, o jogador não poupou palavras.

“Acho que, quando você joga contra antigos companheiros de time, tem um gosto a mais. Principalmente porque você quer se provar, eu não preciso de vocês para ser bom, eu não preciso de vocês para ganhar. Então, eu acho que tem essa questão de se provar. Fora que eu tô muito feliz com o meu novo time, a galera aqui é sensacional, o meu foco são eles. Tinha aquele sentimento, mas não chegou a influenciar na preparação para a série. Eu estava bem sóbrio e foi só mais aquele gostinho da lei do ex.”

Como falamos acima, a TSM foi a equipe brasileira que representou o Brasil no mundial. E claro que, devido a isso, houve um preparamento diferente para jogar contra o time. De acordo com Carlito, foi bem complicado conseguir ler a equipe adversária.

“Eu acho que a nossa preparação foi meio complicada. Porque, desde a volta da Horizon Cup (o campeonato mundial de Wild Rift), desde que eu saí da TSM e entrei na B4, a gente não tinha muita informação deles. Eles não disputaram nenhum campeonato durante o final da temporada 2021 e na pré temporada de 2022. Eles estavam bem reclusos, fazendo vários testes com jogadores para a line deles, e a gente não tinha muito acesso a essas informações. A nossa preparação foi muito mais em consertar e melhorar o nosso time. Corrigimos os nossos erros e sabíamos que isso seria o suficiente para conseguir ganhar deles.”

Antes adversários, agora aliados

A grande final do Wild Tour 2021 foi estrelada por duas equipes bem fortes durante o ano, a TSM e a Só Agradece. Agora, na B4, além do Carlito estar na equipe, quatro peças importantes da SA estão na equipe. Dois deles atuando como jogadores, o 9Norvas (Rota do Barão) e o Letter (Jungler), e dois na staff, o Djoko (coach) e o Danagorn (assistent coach). Sobre como está sendo jogar com os seus antigos adversários, Carlito disse:

“É uma troca de experiências sensacional. Acho que estamos tirando o melhor disso. Conversamos diariamente sobre as nossas experiências passadas nos times antigos e falamos sempre sobre o que foi bom ou ruim. Então, hoje, no ano de 2022, com todos nós juntos, é um momento em que nós todos avaliamos tudo o que aconteceu com a gente no ano passado e somamos tudo isso para poder agregar no nosso time.

De vez em quando a gente se farpa por aqui, ficamos zuando um com outro. Tipo, o Letter (Jungler da equipe) fica me zuando, falando que eu perdi tudo no ano passado e eu falo para ele que eu joguei no mundial. Mas é tudo como forma de brincadeira, sem levar para o lado pejorativo. Agora falando na parte produtiva, a gente sempre busca somar as experiências e adaptá-las para o nosso hoje em dia.”


O Wild Tour acontece as sextas e sábados, com transmissões nos canais oficiais da Riot Games na TwitchTikTokNimo e YouTube. As próximas partidas, do campeonato serão as seguintes:

Sexta-feira (25)

  • Vivo Keyd x Cruzeiro Esports – 19h
  • Los Grandes x DreamMax e-Sports – 20h
  • XIS x Netshoes Miners – 21h

Sábado (26)

  • Liberty x Omegha E-sports – 19h
  • TSM x LOOPS – 20h
  • Full House Gaming x B4 Esports – 21h

Quer ficar por dentro das noticias do mundo dos Esports? Fique ligado no Esports GG e veja tudo sobre o cenário competitivo de Wild Rift. Confira o nosso Twitter e Instagram, para saber mais.

Lucas Bauth -

Lucas Bauth

Lucas Bauth, redator e analista de Esports, com foco em jogos como Valorant, League of Legends e TFT.