Mira “Ephey” Riad revisita sua experiência no WePlay AniMajor e compartilha algumas histórias surpreendentes e saudáveis ​​dos bastidores.

Mira “Ephey” Riad (Twitter) fez sua estreia como caster de Dota 2 no WePlay AniMajor no início deste mês. O WePlay AniMajor foi um grande sucesso, com o quinto maior pico de visualização de todos os tempos. A streamer da Twitch, Ephey, que também é uma jogadora com MMR de 6K, foi o assunto de muitas conversas durante o evento. Alcançamos Ephey depois que a poeira do AniMajor assentou.

Malystryx: Olá, Ephey! Obrigado por tirar um tempo para conversar. Quando estava trabalhando nos eventos de Dota 2, descobri que muitas vezes ficava muito estressado durante eles e hipercrítico com tudo o que fazia, mas quando chegava em casa me sentia muito mais feliz com o que fiz depois de ter um tempo para refletir. Já se passaram quase duas semanas desde que o AniMajor acabou, você está tendo sentimentos semelhantes?

Na verdade, eu me identifico com isso. Bem, eu pensei que não estava me saindo bem enquanto estava lá. Quando voltei, relaxei um pouco e tentei não ser hipercrítica comigo mesma. E, no geral, estou feliz por ter conseguido fazer o evento e sair viva no final do dia. Tudo que sei é que da próxima vez farei um trabalho melhor. Então é isso que estou ansiosa para fazer. Foi um aprendizado muito bom para mim, não apenas no Dota profissionalmente, mas como pessoa. 

Malystryx: Há um painel em particular sobre o qual gostaria de te fazer perguntas, e era aquele com SUNSFan, Slacks e SyndereN. Foi glorioso assistir, mas como foi fazer parte?

Ephey: Foi absolutamente hilário. Oh meu Deus, independentemente de como pode ter funcionado, eu realmente gostei de estar nos painéis com eles. E eu faria de novo… Lembro que estávamos no ônibus de volta para o hotel, um dia antes desse painel, e então Kyle se virou e disse: ‘Ephey, você quer fazer tiebreakers com Slacks e SUNSfan?’. E eu disse: ‘tem certeza?’ Então Kyle disse ‘vai ser hilário’. Então eu concordei com isso. E nem sabíamos se haveria um. Eu estava meio adormecida, mas então boom, tivemos o tiebreakers no último minuto. 

Malystryx: Slacks pode ser intenso, e ele estava na sua. Sem lugar para se esconder.

[Ephey ri] Slacks estava na minha tantas vezes. Acho que é apenas o seu tipo de humor, essa foi a sua maneira de fazer com que eu me abrisse. Pedi a ele que relaxasse um pouco, como se eu me sentisse atacada [Ephey ri], e ele relaxou. Mas Slacks estava muito engraçado. Eu realmente gostei de participar de um painel com pessoas que podem me fazer rir, porque isso tirou muitos dos nervos que eu tinha ao entrar nisso como uma estreante. Então, toda vez que eu participava do painel com Slacks, Jenkins ou Rich, eu me divertia muito. 

Ephey
“Sempre que participava de um painel com Slacks, Jenkins ou Rich, eu me divertia muito.” – Ephey (Foto: WePlay)

Malystryx: No tópico sobre Jenkins, uma coisa que adoro nele é que ele é literalmente a mesma pessoa fora das câmeras.

Ephey: Isso é exatamente o que eu estava dizendo às pessoas quando cheguei em casa! Eu disse à minha família, era como se Jenkins não tivesse um botão para desligar. Minha família também joga Dota e eles assistiram às transmissões. E eu estava dizendo a eles que a personalidade é literalmente imutável, inabalável.

Lembro-me de uma vez que passei por ele no restaurante onde ele estava tomando café da manhã. Não me lembro com quem, mas acabei por ouvi-lo falando sobre o ‘interior de um esquilo’ e depois algo como ‘Delicioso’. Como você consegue conversar sobre isso?

Jenkins não para. É como um fluxo contínuo. Acho que foi bom para mim fazer parte do painel com alguém como Jenkins, porque ele é tão assumidamente ele mesmo, e isso foi bom porque posso ser bastante tímida.

“Jenkins não para. É como um fluxo contínuo. Acho que foi bom para mim fazer parte do painel com alguém como Jenkins, porque ele é tão assumidamente ele mesmo, e isso foi bom porque posso ser bastante tímida.”

Ephey sobre Jenkins

Malystryx: Você publicou um vídeo muito sincero no meio do evento. Qual foi a motivação para fazer isso, foi apenas um desabafo para você ou você esperava conscientizar as pessoas sobre o impacto que estavam tendo em termos de críticas?

Ephey: Para mim, foi apenas um desabafo, porque sou alguém que escreve quando estou sentindo muitas coisas. E uma coisa que eu estava tentando me ensinar durante o Major era sobre não me censurar tanto. Eu estava inicialmente escrevendo um blog do meu dia a dia, mas percebi que não estava deixando meus pensamentos fluírem naturalmente. Se eu sentisse que algo não estava saindo muito bem, eu estaria apagando isso e dizendo algo diferente.

Então eu decidi fazer o vídeo um dia em que cheguei muito cansada em casa. Fiquei chateada com meu desempenho e decidi falar sobre isso em voz alta e não me censurar. Foi muito bom para mim apenas desabafar e pegar meus pensamentos mais íntimos e expulsá-los. Sempre me sinto melhor depois de fazer algo assim. Não acho o vlog super negativo, falei sobre como gostei e como foi bom para mim. Isso apenas me ajudou a avaliar minhas emoções. 

Ephey disse que o conforto de Jenkins em sua própria pele foi inspirador (Foto: WePlay)

Malystryx: Houve uma mudança perceptível de atitude depois do seu vídeo e uma enorme quantidade de elogios. Eu sei que você mencionou que prefere não estar no centro das atenções, provavelmente teve muita atenção para lidar de uma vez só.

Ephey: Sim, eu iria preferir que as pessoas não fizessem tópicos no Reddit sobre mim. É bom saber que as pessoas o apoiam, mas chegou ao ponto em que havia tantos deles que se tornou algo negativo. Embora seja muito legal ser reconhecida e apreciada, tem que ser com moderação e objetivo. Não pode ser apenas ‘gostamos dela porque ela é uma menina’ ou ‘ela parece muito fofa’.

Eu realmente quero saber o que posso melhorar e o que estou fazendo de errado. É difícil filtrar isso porque senti que os comentários foram incrivelmente positivos ou incrivelmente negativos. Tentei, mas foi difícil encontrar um feedback que eu pudesse usar para melhorar, mas recebi vários realmente bons dos meus co-painelistas. 

Malystryx: Você estava no painel para as Grandes Finais, quando a LGD ganhou, e eles estavam todos andando pelo palco e você percebeu que o evento havia acabado, como você se sentiu?

Ephey: Bem, primeiro eu corri para onde a LGD estava com meu caderno e peguei seus autógrafos. Eu sou uma grande fã da LGD, então fiquei muito animada para receber seus autógrafos! [Ephey ri] Depois disso, foi como uma espécie de esplendor. Eu estava muito orgulhosa de mim mesma porque parecia algo tão difícil em muitos dias, e apenas chegar ao final e então acabou, e as pessoas me dizerem que eu fiz um bom trabalho. Apenas uma coleção de todas essas coisas dando frutos me fez sentir que tudo valeu a pena. E fiquei muito feliz. 

Malystryx: Não me lembro quem mencionou isso para mim, mas sinto que muitas vezes é algo que soa verdadeiro. Que, no Dota 2, para a maioria dos talentos emergentes, há uma trajetória em que as pessoas amam você porque você está em ascensão e os fãs se sentem bem por saber quem é o próximo grande narrador/analista. No entanto, o talento atingirá o pico de sua ascensão inicial e, de repente, chegará em um ponto em que as pessoas não querem mais gostar deles, porque agora todo mundo gosta. Então, os haters aparecerão e os fãs começarão a ser hipercríticos. Em seguida, esse talento deve sofrer sua primeira queda, muitas vezes na forma de um tópico de ódio no Reddit ou um clipe do Twitch. Na realidade, nem todo talento sobrevive à primeira queda, mas é durante sua segunda ascensão que eles ganharão a estabilidade e muitas vezes receberão críticas muito menos injustas, pois provaram sua resiliência (por exemplo, Bkop, Moxxi ou, anteriormente, Nahaz). É uma espécie de cerimônia de iniciação distorcida que criamos na comunidade do Dota 2. Eu sinto que você passou por todo esse processo no Major. 

Ephey: Sim, a questão é que sobre Moxxi ou Bkop, ambos trabalham muito. Não acho que a comunidade saiba exatamente quanto trabalho árduo, suor, lágrimas e esforço são dedicados a esses eventos e ao trabalho dos talentos. Eles acham que é fácil, mas não é. E lidar com a crítica online é algo tão estressante e desgastante para uma pessoa normal que ela realmente não consegue lidar com isso. Achei que não conseguiria lidar e foi muito difícil para mim, e olha que tenho sido uma streamer esse tempo todo. Eu nem consigo imaginar a energia mental necessária para alguém como Kyle ou Moxxi lidar com isso ao longo de toda a sua carreira.

Acho que as pessoas ficam desconfortáveis ​​com a Moxxi porque ela é uma garota, não quero dizer que todas as suas críticas vêm de ser uma, mas muitas pessoas na internet gostam de ver as mulheres fracassarem. É daí que vêm muitos haters vocais, e seria bom ler críticas válidas em vez de coisas abertamente odiosas. Acredito que se a comunidade de Dota percebesse isso, eles veriam uma melhoria notável na qualidade do trabalho desses talentos. É difícil querer ler o feedback do público quando muitos deles são pessoas que não se importam com você. 

Ephey
Ephey elogiou Kyle pela dedicação, dizendo que foi por causa dele que deu evoluiu. (Foto: WePlay)

Malystryx: Sim, imagino que passar por tudo isso deve ser algo exaustivo. Você mencionou Kyle, e eu não acho que as pessoas estão cientes, mas Kyle na verdade desempenhou um papel significativo na organização do AniMajor e lidou com a programação junto com outras responsabilidades gerenciais pelo que eu sei. Você disse que ele foi um grande apoiador para você, trabalhando como um talento.

Ephey: Kyle está muito envolvido com o WePlay nos bastidores e na organização. E ele, de todos ali, era quem menos descansava. É engraçado para mim que a comunidade tenha essa ideia do Kyle, que ele nem joga mais Dota e só é convidado porque costumava ser um profissional, e ele fez sua marca por estar errado. Mas isso é apenas entretenimento.

A comunidade realmente não sabe quanto trabalho Kyle coloca em cena e quanto ele quer promovê-lo e vê-lo crescer. E no AniMajor ele estava se preocupando com tudo, como estavam os jogadores, como estavam os talentos, se os testes de COVID estavam sendo feitos no prazo, quem estaria trabalhando em quais horários e ele administraria sua agenda.

“A comunidade realmente não sabe quanto trabalho Kyle coloca em cena e quanto ele quer promovê-lo e vê-lo crescer. E no AniMajor, ele estava se preocupando com tudo, como estavam os jogadores, como estavam os talentos, se os testes de COVID estavam sendo feitos no prazo…”

Ephey sobre a contribuição de Kyle nos bastidores

Se alguém tivesse que fazer a primeira e a última série do dia – o que ninguém queria, porque acabariam ficando das 10h da manhã à 1h da madrugada – Kyle pegaria essa parte em vez de forçar outra pessoa a ficar com ela. Então, sim, eu só acho hilário que as pessoas falem sobre Kyle como se ele fosse preguiçoso e não fizesse nada, porque isso é o oposto da verdade. E eu percebi isso com meus próprios olhos depois de ver como ele trabalha duro. 

Malystryx: Concordo totalmente, escrevi um comentário em resposta a um post sobre Kyle no Reddit dizendo algo semelhante. Ele percebe que para fazer um bom show de Dota é preciso entreter e, às vezes, é preciso interpretar o vilão. Ou você precisa apenas criar o caos como SUNSFan, Slacks e Jenkins fazem.

Ephey: Existem muitos puristas de Dota que só querem falar sobre Dota, e querem que todos sejam super profissionais e legais o tempo todo. Mas isso não é entretenimento, não é um show. No final do dia, esses eventos são exibidos para que as pessoas possam fazer um bom show. Para que isso aconteça, você precisa de pessoas que estejam dispostas a estarem erradas e que sejam engraçadas ou divertidas. Ou pessoas que possam interpretar o vilão. Você precisa de tudo isso para um bom show.

Qualquer pessoa que trabalhe no cenário entenderá como Kyle ou Jenkins são importantes para esse tipo de coisa. Jenkins é hilário e é simplesmente incrível estar perto dele. Ele está tão confortável sendo ele mesmo e ri tanto lendo um comentário no Reddit sobre si mesmo. É realmente incrível para mim ver alguém reagir assim, porque é algo que eu quero me esforçar para ser.

“Você precisa de pessoas que estejam dispostas a estarem erradas e que sejam engraçadas ou divertidas. Ou pessoas que podem interpretar o vilão, você precisa de tudo isso para um bom show.”

Ephey sobre a importância de um painel diversificado de casters

Malystryx: Outro talento que sinto que não recebe elogios o suficiente pelo que traz para a mesa é o Tsunami. Como alguém que já trabalhou com ele, você pode contar aos nossos leitores mais sobre, já que vocês pareceram se dar bem.

Ephey: Bem, ele é muito, muito equilibrado e fundamentado, o que pode ser uma surpresa para algumas pessoas porque ele é muito divertido diante das câmeras. Mas se você quer alguém com um bom ouvido, que lhe dê bons conselhos, ele é a pessoa óbvia a quem recorrer.

No início nos ligamos pelo fato de que éramos ambos vegetarianos e estávamos lutando com a comida de lá, mas eu sempre pedia conselhos a ele e, no final, até me abri para ele sobre a vida e ele apenas conversou comigo de uma maneira que fez parecer como se eu o conhecesse há muito tempo. Ele realmente é o tipo de pessoa que você deseja em sua vida. 

Malystryx: Então você teve tempo para refletir, você acha que continuará como analista? Você consegue se imaginar fazendo uma transmissão ou retornando ao streaming? Qual é o plano?

Ephey: Depois de pensar muito, realmente acho que isso (trabalho de talentos) é algo que posso fazer. E eu não deveria me impedir de fazer isso apenas por causa de dúvidas ou ansiedade ou inseguranças. Então, vou tentar fazer mais no futuro. Por enquanto, provavelmente irei começar a transmitir na próxima semana.

Eu estava pensando em praticar o elenco todas as vezes, então vou tentar fazer isso. Mas não é realmente algo o qual eu gostaria de me concentrar. É apenas algo que eu gostaria de fazer para ficar mais confortável. Se alguém quiser entrar em contato comigo sobre eventos futuros ou qualquer coisa, estou absolutamente pronta e disposta a ir. No momento, vou apenas seguir o fluxo. 

Tradução: Alexandre Silva

Filed Under
Lawrence

Lawrence "Malystryx" Phillips

Director of Content | Twitter: @MalystryxGDS | Twitch: MalyPlays

Malystryx is a content creator, journalist, interviewer, and personality. He has been involved in the esports scene since 2004 and has worked with many different organizers and portals, including SK Gaming, ESL, Dexerto, GINXTV, Razer and Monster Energy. Malystryx was also a broadcast talent on Valve's Dota 2 Pro Circuit over the last few years, creating on-site video content for PGL and Starladder. In his spare time he streams on Twitch as MalyPlays.