O Esports.gg conversou com o jogador e treinador de longa data sobre sua jornada, a transição para se tornar um narrador e as novas lutas que vêm com isso.

Se você é um fã do competitivo de Dota 2, provavelmente já ouviu falar do nome Theeban “1437” Siva. Quer seja de seu tempo como um jogador e capitão pioneiro, como treinador de várias equipes de sucesso ou, mais recentemente, seu conteúdo no YouTube e seu trabalho de narrador e analista – 1437 existe desde que Dota 2 está no esports. Assim como muitos outros, apesar de uma carreira consideravelmente formidável, 1437 ainda não conquistou o desafio do The International. TI9 viu o veterano incapaz de chegar ao evento, marcando sua primeira falta no torneio desde o seu início.

Ele, sem dúvida, já deixou sua marca como jogador e treinador e, no último ano e meio, mudou para o elenco dos narradores em tempo integral. Esports.gg teve a chance de sentar com 1437 para falar sobre sua jornada no elenco e como, apesar dessa mudança de caminhos, o objetivo ainda é o mesmo – um lugar no The International. 

A decisão de 1437 em se tornar narrador em tempo integral

Mike: Você teve uma temporada muito cheia entre ser o narrador da DPC da América do Sul e América do Norte e das Qualificatórias da América do Sul, jogar na DPC e recentemente se tornar pai! Conte-me sobre o seu ano!

1437: Este ano foi muito diferente para mim, especialmente pelo ano passado, com COVID e todos os lockdowns acontecendo. Eu decidi que realmente faria narração em tempo integral. Achei que não iria jogar porque 1) Não senti que houvesse algum time ao qual eu poderia crescer e construir algo naquele momento. E 2) Eu estava pronto para seguir em frente com minha carreira, focar mais na minha vida familiar. E minha esposa e eu, queríamos expandir nossa família, e agora temos um bebê. 

Mike: Como e quando você decidiu que queria começar a fazer narrações?

Acho que foi na época em que eu estava na J.Storm, logo depois que não conseguimos nos classificar para o TI9. Não fui contratado como analista nem nada, e foi o primeiro TI do qual não fiz parte. Foi, honestamente, doloroso.

Meu casamento estava chegando, então eu iria fazer uma pausa – a primeira pausa que fiz em toda a minha vida no Dota. Depois de cerca de 3 meses, eu voltaria a jogar novamente. O que acabou acontecendo é que eu machuquei o dedo em uma marreta ao jogar basquete. Ficou bem machucado por algum tempo, então a pausa ficou mais longa. Eu me envolvi muito com Dota Underlords e comecei a fazer streaming, algo que realmente gostei de fazer.

Nesse ponto, pensei que talvez fosse melhor dar um passo para trás e fazer mais conteúdo e coisas assim. Foi quando eu comecei a fazer narrações novamente, especialmente quando Dota Underlords começou a morrer. A partir daí, eu mais ou menos fiz disso o meu foco, e eu ia fazer acontecer: narrar e ser analista do TI. Eu quero ser capaz de compartilhar o conhecimento que acumulei nos últimos 10 anos jogando, treinando e estando no meio de todas essas coisas. 

“Eu quero ser capaz de compartilhar o conhecimento que acumulei nos últimos 10 anos jogando, treinando e estando no meio de todas essas coisas.”

Theeban “1437” Siva em sua decisão se tornar narrador 

Narrando com Gareth e Aui_2000

Mike: Você foi jogador e treinador durante a maior parte de sua carreira – como foi a transição ao se tornar narrador?

1437: Não foi a coisa mais fácil para mim no início, porque há muitas nuances. Você precisa se ajustar e trabalhar com outra pessoa também, e é muito importante que vocês sejam coesos. A DPC da América do Sul foi incrível para mim, pois pude narrar com Gareth e acho que ele é incrível. Aprendi muito apenas ao narrar do lado dele e acho que trabalhamos muito bem juntos.

Eu tenho realmente trabalhado e feito o que posso, e estou muito feliz com o tipo de produto que estou entregando. Acho que narrei mais de 400 jogos só no ano passado.

Mike: Isso é absolutamente insano. A maior parte das narrações que você fez até agora foi com Gareth – como surgiu essa parceria?

1437: A coisa sobre Gareth é que, literalmente, nos entrosamos depois de dois jogos. Ele me entendeu, eu o entendi – sabíamos exatamente o que precisávamos dizer e como nos divertir com isso. Não me lembro qual torneio foi – pode ter sido o Pushka League ou Dota Pit. Mas eu soube no momento em que ele falou. Eu estava tipo “Ei, ele e eu trabalhamos muito bem juntos”. E então, quando descobri que ele iria fazer parte da DPC da América do Sul juntamente comigo, fiquei muito entusiasmado. Trabalhar com ele é muito divertido. 

Quando fizemos ela juntos, fizemos todos os jogos – das divisões Upper e Lower. Acho que narrei alguns jogos com Trent, mas isso porque Gareth estava doente. Eu adoraria que fossemos uma dupla de narradores ou algo assim. Até este ponto, trabalhamos 2 temporadas da DPC juntos, então acho que isso conta para alguma coisa. Eu adoraria narrar mais com Gareth se tivermos a chance.

Mike: Neste tópico, você também teve a chance de narrar com Aui_2000 durante as Qualificatórias do TI10. Essa deve ser uma das maiores duplas de narradores de MMR de todos os tempos – como foi essa experiência?

1437: A questão é que, quando estamos narrando juntos, eu entendo exatamente o que ele está dizendo em tempo real, e o que ele quer apontar porque, tipo, estamos pensando a mesma coisa. Eu não preciso absorver o que ele está dizendo e pensar sobre isso. Eu posso apenas entender e ficar “Oh, eu sei exatamente aonde você quer chegar com isso”. Boom – e então apenas conseguimos essa conexão e podemos conversar sobre o jogo sem parar. O fluxo é sólido aí. Eu vi o amor que algumas pessoas estavam mandando para nós no Twitter e foi incrível.

É engraçado, porque Aui foi aquele que mais me mostrou amor entre todos em termos de tipo, minha narração, bem como com meu trabalho de analista. Ele entende por que estou dizendo o que estou dizendo. Na verdade, fui eu quem perguntou a ele: “Vamos narrar algo juntos, faço jogada por jogada, não me importo.” Acho que ele tocou no assunto e foi assim que aconteceu. Foi incrível e muito divertido.

Com Gareth, ele é muito bom em ser capaz de aceitar o que eu digo e retribuir. Mas com Aui, é como se estivéssemos falando em um nível diferente. Por exemplo, algo que sinto que está faltando na narração geralmente é a mentalidade dos jogadores.

Todo mundo está falando sobre o próprio Dota, mas o que se passa na cabeça do jogador também é extremamente importante. Às vezes, quando eles tomam uma decisão, eles coçam a cabeça, mas tem todo o material emocional entrando em jogo também. Isso é algo que eu sei em primeira mão – porque eu joguei contra eles e com eles como capitão, certo?

Eu acho que é meio que o futuro: um analista e um narrador jogada por jogada, que possuem muito conhecimento acerca do jogo e que podem conversar um com o outro em um nível realmente avançado. Um narrador que faz isso muito bem também é Capitalist. Ele tem um MMR muito alto e entende muitas das coisas de alto nível que os jogadores podem estar pensando.

A história por trás de D2 Hustlers

Mike: Falando em jogar competitivamente, você teve um desempenho muito bem-sucedido no DPC da América do Norte com D2 Hustlers este ano também! Competir ainda é algo que você está deixando em aberto?

1437: D2 Hustlers era apenas eu fazendo algo como passatempo, pensei que poder jogar na DPC poderia melhorar minha narração. Também me coloca um pouco no meio dos acontecimentos. Posso entender os rascunhos um pouco melhor e isso me dá uma nova perspectiva e me ajuda a saber o que os jogadores estão pensando.

Eu estava sempre pensando no que poderia me ajudar e como melhorar (minha narração). Em termos de jogar com a D2 Hustlers, eu não sou um jogador ruim – ainda entendo isso, mas estava definitivamente bem tranquilo. Nós treinamos apenas uma vez por semana antes da nossa partida e então apenas jogamos, encaramos isso como se fosse apenas para nos divertir.

Antes do TI jogamos um pouco mais, e acho que isso meio que prejudicou alguns dos outros jogadores e sua mentalidade, porque então eles começaram a pensar mais seriamente. E eu sinto que, por estarmos tão relaxados, foi o que permitiu um desempenho melhor nosso antes. TI é algo totalmente diferente. E aqueles três caras que nunca jogaram uma qualificatória antes realmente sentiram isso. 

Mike: Para uma equipe que estava apenas se divertindo e relaxando, você chegou bem longe nas Qualificatórias do TI10. A ideia de se classificar já passou pela cabeça da equipe?

1437: Eu sabia que não iríamos conseguir, como eu literalmente disse à minha equipe “Gente, temos 0,001% de chance de ir para o TI”. Não para desmoralizá-los nem nada, mas eu estava dizendo algo tipo não espere conseguir ir para o TI, porque se você fizer isso, é assim que você vai se ferrar, sabe?

Sempre que você acha que tem uma oportunidade, você vai começar a se atrapalhar, vai começar a sufocar. Você pensa “Oh, nós deveríamos estar ganhando isso”. Eu estava apenas tentando ajudá-los a lembrar por que chegamos onde chegamos, pois simplesmente não nos importamos. Nós apenas não nos importamos, como as pessoas contra quem jogamos, eles se importam muito. E você acabou de ver na gameplay. Eles estão assustados. 

“Eu estava apenas tentando ajudar [a equipe] a lembrar por que chegamos onde chegamos, pois simplesmente não nos importamos. As pessoas contra quem jogamos, eles se importam muito – você pode ver isso pela gameplay deles, eles estão assustados.” 

Theeban “1437” Siva sobre sua participação na qualificatória da América do Norte para o TI10 

Quando jogamos, ficamos com medo como equipe, porque chegou um momento em que começamos a nos importar. Para mim, eu sabia que estava jogando apenas para me divertir, porque meu objetivo o tempo todo sempre foi focar na narração. 

A barreira para a entrada de novos narradores

Mike: Você mencionou que a narração não foi a coisa mais fácil para você no início, por causa da coesão, mas parece que com Gareth e Aui, vocês se entenderam bem! Existe algum outro aspecto que você sente que tenha sido desafiador para você até agora?

1437: Acho que, pelo menos para mim, a maior dificuldade é em conseguir empregos. Eu gostaria de poder narrar mais torneios europeus ou fazer parte de algo em uma escala maior, mas é difícil conseguir. Não me interpretem mal – a DPC da América do Sul tem sido incrível. Há muito amor por lá e por todos os caras que trabalham lá também. Mas na América do Sul, nós sentimos como se estivéssemos em um canto por conta própria, enquanto o resto do mundo está acontecendo.

Já joguei e treinei na América do Norte e na Europa, morei na China e no sudeste da Ásia por cerca de quatro anos. Agora também faço narrações na América do Sul – sinto que sou muito bem versado em todas essas regiões. O objetivo sempre foi o mesmo – chegar ao TI. Acabei de decidir que quero fazer isso como narrador e analista, em vez de jogador ou treinador.

“O objetivo sempre foi o mesmo – chegar ao TI. Acabei de decidir que quero fazer isso como um narrador e analista, em vez de um jogador ou treinador.”

Theeban “1437” Siva 

Pode ser estranho dizer isso, mas se você olhar para os narradores agora, são sempre os mesmos rostos. Definitivamente parece que há um pouco de favoritismo. É algo que existe em todos os lugares, e simplesmente é o que é. Mas, ao mesmo tempo, se você deliberadamente não permite que novos talentos entrem em cena, problemas serão criados.

Assim como com os jogadores, deve-se estimular as pessoas e dar-lhes oportunidades. Como a DPC da América do Sul, não tínhamos uma única pessoa representando a região em ambos os Majors. Gareth só conseguiu o emprego [no AniMajor] porque o OD não pode ir. E quando ele estava lá, em seu primeiro Major, todo mundo ficou tipo “Puta merda, esse cara é bom!”. E eu estava lá pensando “O que você quer dizer com puta merda? Esse cara foi incrível durante toda a temporada da DPC!” Ele trouxe essa energia todos os dias, em todos os jogos.

 

Eles trouxeram algumas outras pessoas que eram meio novas – você teve Ephey, Gareth, Aui e até mesmo SUNSfan, certo? Foi como uma lufada de ar fresco, porque eles trouxeram algo novo para o ambiente. Eles foram indiscutivelmente a melhor parte da lista de talentos do evento, em termos de como as pessoas os viam. Estou muito feliz por eles terem tido essa oportunidade e tenho muito amor por esses caras. 

Mike: Este parece ser um problema comum enfrentado por muitos narradores em ascensão. Quando falamos com MLP e johnxfire, eles falaram sobre como sentiram que não conseguiram mostrar o que possuem em um evento de LAN. Isso é algo que você também sente?

1437: Com certeza. Essa é uma das razões pelas quais narro tantos jogos, e eu realmente só queria fazer isso presencialmente. Nunca recusei uma única oportunidade de narrar, e me magoa porque sinto que estava apenas esperando um convite que não aconteceu.

Tenho visto desde semana passada sobre pessoas recebendo seus convites para o TI, e parece que não estou nessa lista. Então esse vai ser outro TI que estou perdendo. É doloroso, para ser honesto, porque desta vez sinto que fiz tudo o que podia, mas é algo que não está no meu controle.

Acho que uma das coisas que prejudicam minhas chances são as redes sociais também. Em termos de minha presença na mídia social, não é muito lá essas coisas. Eu sou o tipo de cara que, embora esteja aqui desde o começo, estou aqui porque amo Dota. Eu não amo Twitter, Facebook ou Instagram. Eu amo Dota e estou aqui para falar sobre Dota.

“Estou aqui porque amo Dota. Eu não amo Twitter, Facebook ou Instagram. Eu amo Dota e estou aqui para falar sobre Dota.”

Theeban “1437” Siva

Eu sei que essas coisas como a mídia social são importantes – eu simplesmente não sou muito bom em fazer parte dessas coisas. Não sou de fazer amizade com alguém só porque quero uma oportunidade. Por um lado, posso tentar me adaptar, mas ao mesmo tempo não quero ser desleal com quem eu sou. Essa é a última coisa que eu quero ser. 

Mike: Tenho certeza de que há muita decepção e frustração, você sem dúvida deu tudo de si no trabalho. Você tinha alguma expectativa de que seria capaz de fazer isso este ano?

1437: Sim, para ser honesto. Especialmente durante a DPC da América do Sul, sinto que Gareth e eu estávamos fazendo um trabalho muito bom. Também nos sentimos bem, apenas conversando sobre isso. Nós pensamos “Sim, isso vai acontecer este ano”.

Acho que dói o fato de eu ter recebido quatro ofertas diferentes para ser treinador, e todas elas eram bastante sólidas. Duas das quatro equipes que me pediram já estavam garantidas para o TI, e uma delas chegou bem perto de ser aceita. Recusei tudo para narrar, então pareço meio idiota agora. Mas isso é apenas quem eu sou – no início do ano eu já tinha decidido que estava comprometido com isso. Não é que eu me oponha, é só que, para mim, meu caminho já foi traçado.

Talvez eu não deva presumir nada ou algo assim, talvez isso seja apenas ruim da minha parte. Acho que é provavelmente por isso que estou mais decepcionado, mas sou apenas humano. 

“Talvez eu não deva presumir nada ou algo assim, talvez isso seja apenas ruim da minha parte. Acho que é provavelmente por isso que estou mais decepcionado, mas sou apenas humano.”

Theeban “1437” Siva

A estrada à frente para 1437

Mike: Droga, isso é difícil. Acho que, a este ponto, o TI10 está fora de questão por enquanto. O que vem por aí para 1437?

Não tenho certeza neste ponto, mas aposentadoria foi algo que considerei. Toda a super presença de mídia social – eu não sou assim. Sou muito mais direto, digo as coisas como são e simplesmente amo Dota. É por isso que joguei Underlords, mesmo quando estava machucado, porque tinha a ver com Dota. Eu implorei, IMPLOREI por uma chave de Artifact por tanto tempo pelo mesmo motivo.

Durante toda a minha vida, desde os 14 anos, tudo que eu conhecia era Dota. Eu tenho 28 anos agora, então são 14 anos – metade da minha vida no jogo. Acho que esta é a primeira vez que estou pensando em me afastar completamente. Principalmente agora que tenho família, e preciso pensar neles também. Não sou mais um adolescente onde posso simplesmente tomar decisões descuidadas e arriscadas seguindo pelo caminho do Dota. Na maior parte deu certo, mas agora as coisas estão um pouco diferentes.

Mike: Se você se aposentasse e se afastasse agora, poderia dizer que está satisfeito com o que conquistou em sua carreira?

1437: Se eu fizesse isso… essa é uma boa pergunta. Em termos de carreira como jogador, eu diria que sim, em termos de treinador, eu concordo. Só estou triste por nunca ter conseguido ganhar um TI, ganhei um Major e um Minor, mas nunca conquistei um TI, e isso é algo que sempre estará em minha mente. Neste ponto, eu já aceitei que isso não vai acontecer como jogador, pelo menos.

Em relação a ser narrador, sinto que ainda não fui capaz de mostrar tudo que sou capaz. Acho que meu próximo passo é participar de um evento presencial como narrador e analista, mas veremos.

Acho que, na maior parte do tempo, estou inclinado a continuar como narrador. As chances de eu jogar novamente não são realistas. Eu quero poder ficar perto da minha família. Tenho um bebê e ela é muito preciosa para mim e eu só quero estar perto dela. Tenho estado bem focado em narrar e fazer trabalho de analista e tudo isso.

A questão é que eu nem sei o que eu faria se não fosse algo relacionado ao Dota. Dediquei 14 anos da minha vida ao jogo e sinto que aprendi muito. Acho que não importa o que eu esteja fazendo, seja jogando, assistindo ou sendo analista, você sempre pode ver minha paixão pelo jogo. 

“Dediquei 14 anos da minha vida ao jogo e sinto que aprendi muito. Acho que não importa o que eu esteja fazendo, seja jogando, assistindo ou sendo analista, você sempre pode ver minha paixão pelo jogo.”

Theeban “1437” Siva

Mike: Foi ótimo conversar com você! Você tem algum pensamento final ou algum comentário que queira dar?

1437: Um abraço para minha família que me apoiou, durante tudo isso, minha esposa que sempre me incentivou a ser melhor. E é tão compreensiva durante a felicidade, mas também nas frustrações pelas quais posso passar.

Meus fãs, aqueles que me apoiam e também me entendem, são tão leais, incrivelmente leais. E eu os amo muito. Eu definitivamente faço muitas das coisas que faço para eles. Um agradecimento para aqueles que estão dispostos a ouvir, sempre que eu tiver algo que me preocupe ou tiver alguma dúvida ou qualquer outra coisa, e que são capazes de me dar um bom feedback. Como as pessoas com quem trabalho, não posso dizer que todos eram iguais a esse respeito.

Quero agradecer especialmente às pessoas com quem trabalhei no DOTA Pit. Todos aqueles caras foram tão gentis. São todos tão legais e que, na minha opinião, são subestimados.

Um agradecimento também para Aui_2000 porque, independentemente de tudo o que aconteceu no passado, ele tem sido a mesma pessoa desde o primeiro dia em que o conheci. Ele me ajudou muito e é incrível. Ele me entende, e eu o entendo muito bem também porque nós meio que seguimos o mesmo caminho. Estou muito feliz por ele ter sido capaz de mostrar do que é capaz e por ter chegado até lá.

Mike: Obrigado pelo seu tempo!

1437 é atualmente analista da quinta temporada do torneio OGA Dota Pit na China, em andamento, que você pode assistir aqui.

Para mais conteúdo e notícias de Dota 2, fique ligado em esports.gg. 

Tradução: Alexandre Silva

Filed Under
Mike Tsang - Writer of the Month: April

Mike Tsang

Writer of the Month: April | Twitter: @permasneeze | Twitch: permasneeze

Mike is a digital content producer from Singapore who lives and breathes Dota 2. When he's not playing or watching the game, he can be found slurping ramen or sleeping next to his cat.