A Comissão de Integridade nos Esports (ESIC) encontrou evidências de um potencial match-fixing e fraude em apostas durante as partidas do torneio Regional Major Ranking (RMR) da região da Comunidade dos Estados Independentes (CEI). A EPIC CS:GO League, o torneio RMR do CEI, foi foco de controvérsias recentemente. O campeonato falhou em precauções básicas de segurança, como salvamento de replays, anti-cheats e mais. Entre alegações de usos de cheats por parte da Akuma, um time que […]

A Comissão de Integridade nos Esports (ESIC) encontrou evidências de um potencial match-fixing e fraude em apostas durante as partidas do torneio Regional Major Ranking (RMR) da região da Comunidade dos Estados Independentes (CEI). A EPIC CS:GO League, o torneio RMR da CEI, foi foco de controvérsias recentemente. O campeonato falhou em precauções básicas de segurança, como salvamento de replays, anti-cheats e mais. Entre alegações de usos de cheats por parte da Akuma, um time que surpreendeu contra os maiores nomes do torneio, a ESIC encaminhou as evidências de fraudes em apostas para a Valve.

O cão de guarda dos esports encontrou evidências de diversas apostas suspeitas de Oleksandr Shyshko, CEO da Project X. O Project X é o time de onde surgiu o atual elenco da Akuma. Shyshko fez uma pré-aposta precisa na partida entre Akuma e Virtus.Pro.

A Akuma está trapaceando? Times de CS:GO da CEI definitivamente pensam que sim

A Akuma enfrentou a Virtus.Pro na semifinal da upper bracket da EPIC League. A Virtus.Pro era franca favorita no duelo, mas a Akuma surpreendeu a todos com uma vitória por 2-0. Logo depois da vitória, alegações de trapaça e má conduta começaram a aparecer no cenário CEI. Com a EPICENTER não gravando as partidas e com a falta de um anti-cheat nos servidores, foi difícil conduzir uma investigação.

Durante investigações internas e externas, uma grande quantidade de informação sobre as ações da Akuma foi coletada, além de informações sobre o trabalho da GOTV e sobre a linha de administração do torneio. A análise desses dados não revelaram nenhuma evidência que comprometesse a administração do torneio e o trabalho da GOTV. Uma análise dos jogadores da Akuma, seus hardwares e seus softwares não revelou nenhum sinal de trapaça.

A Federação de Esports da Rússia (RESF) se posiciona a favor da justiça nos esports e adere uma política de tolerância zero com falta de fair play. Contudo, a interpretação das atitudes dos jogadores durante a partida não podem servir como uma confirmação confiável de trapaça. Nós coletamos todas as informações necessárias para tomar uma decisão, notificamos a Valve e a ESIC sobre a situação e estamos prontos, se necessário, para conduzir um novo julgamento com a participação destas entidades, provendo todas as informações que nós coletamos.

Carta aberta da RESF para a Valve

14 dos dezesseis times da EPIC League assinaram uma carta aberta para a Valve requisitando uma investigação detalhada sobre as acusações. O time Unique também assinou a carta. A Akuma supostamente teria recebido informação de terceiros que provêem serviços para o torneio, ajudando os jogadores a ganhar informações cruciais para as partidas.

ESIC parou de conduzir uma investigação completa e espera decisão da Valve

A ESIC recebeu informações da Rede de Alerta de Apostas Suspeitas (SBAN) em que Oleksandr Shyshko tem uma conta ativa de apostas em CS:GO. Ele já acertou em apostas corretas em partidas onde a Project X estava jogando. O CEO também apostou corretamente no resultado da partida de Akuma e Virtus.Pro, com o time ucraniano ganhando por 2-0.

“Enquanto a ESIC não conduzir uma investigação completa, com detalhes, extensão e validade de qualquer instância particular de comportamento de match-fixing e os perpetradores deste comportamento – as informações disponíveis indicam que este é um assunto válido de se investigar a fundo; certamente, se a ESIC tivesse jurisdição, teríamos aberto uma investigação completa baseada no que já sabemos. Portanto, a ESIC encaminhou as evidências disponíveis para a Valve para consideração.”

Ian Smith, Comissário da ESIC.

A ESIC recebeu as seguintes informações da SBAN:

  • Informações de apostas do cliente;
  • Dados de análise das partidas e de jogadores;
  • Dados de comportamentos anteriores;
  • Outras informações relevantes.

A Comissão de Integridade dos Esports parou antes de completar uma investigação total por não ter jurisdição no torneio. A EPIC League de CS:GO é um evento regulado pela Valve que serve como qualificatório para o Major PGL Estocolmo com premiação de 2 milhões de dólares.

ESIC recomenda que os membros organizadores do torneio não aceitem participação da Akuma ou qualquer outro time composto de três ou mais jogadores do atual roster, ou de qualquer time associado a Oleksandr Shyshko.

Contudo, a ESIC recomendou que os organizadores de torneio não aceitassem mais as entradas do time até a investigação completa da Valve. A ESIC não impôs nenhuma sanção contra os jogadores ou o time, uma vez que não possui a autoridade para conduzir uma investigação completa.

Fique ligado no esports.gg para as últimas notícias e atualizações de CS:GO.

Tradução: Igor Oliveira

Rohan Samal - Eurasia Editor

Rohan Samal

Eurasia Editor | Twitter: @rohan_esports | Twitch: rohan_3105

Eurasia Editor for esports.gg. Found esports through gaming nearly 6 years ago and has been involved ever since. Primarily a Dota 2 player, but has the occasional experience in FPS games. Even tried (unsuccessfully) to go pro in Overwatch.